You are currently viewing Não-conformidades: Entenda o conceito e a importância de tratá-las
  • Reading time:6 mins read

Não-conformidades: Entenda o conceito e a importância de tratá-las

As não-conformidades (NC) de um processo ou procedimento podem gerar impactos negativos em seus resultados.

Isto porque são itens negativos que podem prejudicar o seu resultado final.

Dessa forma, é importante que elas sejam mapeadas e resolvidas antes que causem problemas catastróficos.

Por isso, criamos este artigo para explicar um pouco mais o que são as não-conformidades e mostrar os seus impactos.

Além disso vamos discutir como podemos resolver estes problemas de uma forma sistemática e pontual.

Esteja sempre alerta para identificar os itens não-conforme em seus processos!

Tenha uma boa leitura.

Não-conformidades: O que são?

Não-conformidade é o nome atribuído pela gestão da qualidade total a todo item, processo, tarefa ou procedimento que não atenda à um padrão desenvolvido internamente pela própria empresa ou organização, ou relacionado à alguma norma superior ou regulamentadora (ISO, NRs, etc.)

Ou seja, vários processos internos podem estar relacionados a um padrão, norma ou lei que precisam ser obedecidos.

Eles podem ser algum padrão de qualidade interno, que visa analisar se um produto ou processo está saindo conforme planejado.

Também podem estar atrelados à rotina de operação de uma empresa que tem como objetivo implementar o 5S em suas áreas.

Assim, ela avalia se estas áreas estão seguindo todos os procedimentos indicados.

E por fim alguma norma superior como as Normas Regulamentadoras (NRs), como a NR35 para trabalho em altura.

Nesta norma há uma série de itens que precisam ser obedecidos e que se não forem seguidos podem colocar a vida do operador em risco.

Assim, tudo que foge ao planejado ou exigido por uma norma ou lei é considerado uma não-conformidade.

Entenda os impactos de uma não-conformidade

Agora que você já sabe o que é uma não-conformidade, vamos ao que elas podem causar!

Primeiro você precisa entender qual processo você irá avaliar.

Um procedimento crítico é o de segurança.

Nele podem ter desde trabalho em altura, espaço confinado a até utilizar um equipamento ou veículo.

É necessário verificar se tudo está “OK” para que o operador não possa estar em risco.

Um outro exemplo é fazer análises de processos de produção.

Se sua empresa possui uma cultura de qualidade, com certeza tem um padrão que precisa ser seguido.

Assim, você pode identificar que está gastando mais ou usando mais recursos que deveria.

E assim o custo de produção pode estar mais alto!

Estes são somente dois exemplos de avaliações que você pode fazer, mas suas aplicações são das mais variadas.

Sabendo que este padrões podem ser de qualidade, segurança, prevenção de perdas, as não-conformidades podem gerar:

  • Riscos à vida e saúde dos seus colaboradores
  • Danos aos seus equipamentos
  • Desperdícios de recursos
  • Perdas de produtividade
  • Desorganização
  • Aumentar custos de manutenção
  • Aumentar custos de operação

Com isso, é importante identificar e tratar tais não-conformidades rapidamente e de forma objetiva.

Como as não-conformidades podem ser resolvidas em sua empresa?

Se você está verificando um processo e encontra um problema que é grave, é só ir lá e resolver, correto?

Na verdade não! Depende muito do que está sendo avaliado, se você tem as competências e qual o processo de sua empresa.

Muitas vezes o supervisor que faz a checagem não tem as habilidades técnicas ou não é o responsável pelo processo.

Dessa forma sua empresa precisa ter uma forma de resolver as não-conformidades.

E uma das metodologia baseadas na Gestão de Qualidade que podem auxiliar nesta resolução é o PDCA (Plan, Do, Check, Act).

PDCA Siteware
Ciclo PDCA – (Imagem: Siteware)

E segundo o Blog da Qualidade, o PDCA é uma metodologia com foco na solução de problemas.

Assim, temos os seguintes passos:

  • Planejar (Plan): O primeiro ponto é identificar o problema e descobrir suas raízes, o que pode ter causado. Depois é criado um plano de ação para que ele seja resolvido. Neste ponto tente criar um padrão com perguntas e respostas para que seja fácil realizar o mapeamento.
  • Execução (Do): É hora de envolver as pessoas certas e colocar a mão na massa para resolver o problema.
  • Verificar (Check): Depois de executar o plano de ação, o momento é verificar se o que foi corrigido teve seu efeito esperado. 
  • Ação (Act): Por fim, há dois caminhos após a verificação, fazer outro plano de ação ou confirmar que o problema foi corrigido.

 Este é um PDCA de forma resumida, mas que pode auxiliar na resolução das não-conformidades de seus processos.

Padronize o processo de resolução de não-conformidades

É importante que os processos de correção das não-conformidades também sejam realizados de forma padrão.

Já falamos aqui sobre os benefícios da padronização de processos que estão ligados a:

  • Redução da variabilidade dos resultados
  • Economia em custos de treinamento
  • Manter a qualidade dos produtos ou serviços
  • Aumentar a produtividade

 Assim, ter um procedimento para resolver as NC’s vai auxiliar a sua rotina operacional.

E somente com este padrão você vai saber identificar os efeitos da sua resolução de problemas.

Pronto para resolver as não-conformidades da sua empresa?

Neste artigo falamos sobre a definição de não-conformidades!

As NC’s estão relacionadas a qualquer item, processo e procedimento fora dos padrões internos e externos (ISO, NR) da sua empresa. 

E assim elas são um problema para sua operação!

Uma não-conformidade pode gerar desde riscos à vida e saúde dos colabores, quanto a custos desnecessários.

Dessa forma, elas precisam ser identificadas e resolvidas evitando que isto aconteça.

Portanto, falamos sobre uma metodologia da qualidade total que é o ciclo PDCA que pode auxiliar você neste processo. 

E aí, está preparado para resolver os problemas e não-conformidades da sua empresa?

Caso tenha gostado deste artigo, pedimos que compartilhe com quem achar relevante!

Agradecemos sua atenção e leitura. 

Até mais!

Deixe um comentário